O portal de notícias que mais cresce na serra carioca.

Entenda como as práticas do estoicismo podem ajudar no combate da ansiedade

Segundo dados de 2019 da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil tem o maior índice de ansiedade no mundo. Ainda segundo o levantamento, cerca de 9,3% da população sofre com esse transtorno, ou seja, 18,6 milhões de pessoas. A ansiedade é uma reação natural do ser humano que possui diversos níveis de gravidade e manifestações, ou seja, é um estado, portanto pode ser alterado por meio de estratégias que podem ser desenvolvidas e aplicadas diariamente.

Para tanto, gostaria de apresentar aqui algo que tenho pesquisado muito nos últimos anos, bem como aplicado no meu dia a dia, com o intuito de driblar as reações imediatas e controlar a ansiedade e que faz muito sentido compartilhar com vocês.

Doutrina fundada por Zenão de Cício (335-264 a.c.), e desenvolvida por várias gerações de filósofos, que se caracteriza por uma ética em que a imperturbabilidade, a extirpação das paixões e a aceitação designada pelo destino, são marcas fundamentais do homem sábio, o único apto a experimentar a verdadeira felicidade. Vale ressaltar que o estoicismo exerceu profunda influência na ética cristã.

O Estoicismo ou Escola Estoica é uma doutrina filosófica fundamentada nas leis da natureza, com origem na Grécia no século IV a.c., durante o período denominado helenístico (III e II a.c.). A filosofia estoica tem o foco na vida prática, nas ações, nos acontecimentos do cotidiano e em como o ser humano lida com esses acontecimentos de forma racional e prática.

Segundo os estoicos, a ansiedade é uma consequência da forma como se percebe o mundo e dos padrões mentais prejudiciais enraizados. Uma vez que as percepções do mundo e dos acontecimentos são modificadas, e uma reprogramação mental acontece em virtude de exercícios diários, o autocontrole é estabelecido, fortalecido e com efeito, a ansiedade diminui.

Levar uma vida com mais consciência é uma das valiosas armas contra a ansiedade e estratégias para viver em paz. Saber discernir o que é seu e o que é outro também é uma grande premissa. Nenhum estado de escravidão é mais desgraçado que o imposto por você mesmo, destaca Sêneca. Em outras palavras, essa escravidão é produzida pelo cárcere mental.

Vamos de prática? Seguem as reflexões que devem ser exercitadas diariamente.

  1. Este acontecimento é real ou é imaginário?
  2. Isto está sob o meu controle?
  3. O passado não se muda. O que posso aprender com ele?
  4. O futuro ainda não existe, é resultado do que faço agora.
  5. O que estou plantando hoje está de acordo com os meus princípios e valores e me deixa mais próximo dos meus objetivos de vida?
  6. Menos com qualidade. Foque naquilo que você é bom e delegue o resto.
  7. Memento Mori: lembre-se sempre que você vai morrer e precisa viver de verdade. Ter uma vida com significado. É uma excelente forma de deixar de postergar seus projetos e priorizar o que gera mais valor para você e em consequência, para a sociedade.

Beijos de luz. Com carinho e amor, Aretuza Lattanzi.

Aretuza Lattanzi – Serra News

Empresas apoiam a informação de qualidade

Veja também
error: Content is protected !!