Saúde em foco: autopromoção e a arte do autocuidado

Saúde em foco: autopromoção e a arte do autocuidado

Ainda que a corona crise envolva diversos setores além da saúde, como a economia e a política, a era COVID-19 nos convidou a reconhecer que a saúde é o nosso bem mais precioso. Eureca? Não deveria ser, faz sentido? Uma vez que sem saúde, o indivíduo não é capaz de se desenvolver, de se relacionar e nem de produzir. Por outro lado, sempre bom frisar que a simples ausência de uma doença, não é um indicador de saúde.

Na minha concepção, não da para falar sobre saúde sem mencionar duas palavras mágicas: autorresponsabilidade e autocuidado. Muito corriqueiro ouvir por aí, ainda mais diante desse cenário, sobre a necessidade do fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS). E de quem seria essa tal responsabilidade? Não seria de todos nós: gestão do Ministério, dos Estados, dos Municípios, profissionais de saúde e da população? E se cada um fizesse a sua parte?

Sabe-se que a mera posse de uma informação não é o suficiente para gerar uma ação ao ponto de existir uma mudança de comportamento. Em outras palavras, não basta conscientização, requer quebra de crenças e ativação de gatilhos específicos para reprogramação mental. Por que estou falando isso? Há mais de 15 anos atuando como profissional da área da saúde, mestre e especialista em saúde coletiva, me peguei “enxugando gelo” muitas vezes até chegar à seguinte conclusão: para ter eficácia, deve existir um trabalho conjunto entre profissional de saúde X usuários do sistema. Qual seria o papel do profissional? Dar as diretrizes e monitorar. E dos usuários? Autorresponsabilidade e autocuidado.

Outro ponto importante a ser destacado é que não adianta falar para as pessoas o que elas devem fazer, elas fazem o que nós fazemos. Gente, liderar é isso! É inspirar as pessoas a se transformarem e a se tornarem auto promotoras da sua própria saúde. Será que estou sendo muito romântica? Talvez, mas é assim que eu atuo e vou além, não há como ter saúde sem pensar em 6 pilares básicos: bem-estar mental, emocional, energético, espiritual, físico e social. E isso é responsabilidade de quem? Do indivíduo. Isso é atenção básica: a arte do autocuidado.

Com base nisso, fundei o meu mais novo movimento: Inteligência Holística. A minha missão com ele? É ajudar as pessoas a serem protagonistas e a terem uma vida mais saudável com base nos 6 pilares supramencionados. Venha fazer parte dessa linda comunidade viva e radiante!

Beijo no coração e até a próxima coluna.

Carreira: A síndrome do Fantástico. Será que eu me encaixo?

Drª Aretuza Lattanzi

Drª Aretuza Lattanzi

Fundadora do movimento inteligência holística, estrategista, mentora, palestrante e escritora.