Como construir uma autoestima implacável

Eu sou fã do verbo construir e penso que tudo que uma vez que construímos, podemos desconstruir e construir novamente. E outra, o mundo pode desabar lá fora, podemos perder tudo o que em algum momento construímos, ainda assim, a paz reina sabe por quê? Porque temos consciência que seremos capazes de construir novamente. Com essa sabedoria, considere-se implacável.

E por isso, meus amores, a intenção dessa coluna não é trazer fórmulas mágicas, dicas ou receitinhas de bolo prontas, as quais você pode pegar no Google, copiar e colar. Mas sim, fazer você pensar e a aprender como construir a sua própria autoestima e o melhor, criando as suas próprias estratégias, trilhando o seu caminho. Qualquer coisa diferente disso é falácia porque a mãe do desenvolvimento de qualquer hábito e dos resultados eficazes é a consistência. E para ter consistência, é preciso que seja leve, simples, natural e flexível.

Essa é a arte de transformar o complexo em simples. Como assim, Aretuza? O primeiro passo é se desfazer de padrões fixos sobre si mesmo, não ter medo de se colocar vulnerável e entender que é possível se descobrir e evoluir todos os dias. O que é maravilhoso! Agora, é preciso estar aberto e sereno para aceitar que talvez seja necessário rever alguns valores. O segundo passo é desapegar do desejo de ser perfeito, mas desejar ser único, o que não quer dizer que você seja melhor ou pior que alguém, mas que é apenas você. Parece tão óbvio não é? Teoricamente sim, mas é extremamente desafiador na prática.

Eu demorei anos para descobrir a minha melhor estratégia para isso. E se você me perguntar qual é a minha fórmula, eu vou lhe dizer que é um processo inacabável, pois estou constantemente em transformação. Com efeito, eu preciso estar diariamente desconstruindo padrões e construindo novos. E a regra de ouro é ter a humildade para reconhecer e entender isso. Gente do céu, é libertador…

E o que os outros irão pensar? Opaaaaa. Não é sobre os outros, é sobre você. É a sua vida. Ou você vai deixar passar porque está preocupado com o julgamento e com a aceitação dos outros? Pensa como isso pode estar lhe paralisando. Não é você que tem que se adaptar ao gosto do outro, o outro que deve lhe amar e lhe aceitar do jeito verdadeiro que você é. Já dizia o poeta, deixa falar…

Mas Aretuza, até agora você não falou de autoestima. Será? Uma árvore só dá bons frutos se a sua raiz, assim como toda sua estrutura interna, estiver saudável e bem cuidada. Portanto, a autoestima é o resultado, ou melhor, o efeito de todo um processo. Quer colher bons frutos? Atue na raiz.

Como construir uma autoestima implacável? Esteja aberto para o novo. Como? Adotando o princípio da autorrenovação diária, usando e abusando do autoquestionamento para isto. Por exemplo: não está obtendo o resultado que deseja em alguma coisa, pergunte-se: o que posso fazer para obter o que desejo? Será que preciso mudar algum valor? Será que é alguma crença que preciso desconstruir? Como posso melhorar? O que mais é possível? E claro, não se compare a ninguém, apenas desfrute da delícia e da imensidão que é ser você.

Se você gostou dessa coluna, compartilhe com as pessoas que você ama. Um beijo no coração de todos!

Veja também: