O portal de notícias que mais cresce na serra carioca.

Processo que pede cassação do prefeito de Cantagalo pode ser arquivado

Vereadores da Câmara de Cantagalo vão se reunir na próxima quarta-feira (13/3), às 19h, em sessão extraordinária, para decidir pelo arquivamento ou não do processo que pede a cassação de Guga de Paula, prefeito de Cantagalo (RJ).

No dia 24/12/2023 – véspera de Natal – a Polícia Militar prendeu o prefeito da cidade, após ele invadir um bar com arma em punho e perseguir um homem na localidade de Aldeia. Ele também teria perseguido o homem até a 153ª Delegacia Legal.

No dia 29/12/2023, a Câmara de Cantagalo votou favorável a abertura do processo de cassação do prefeito Guga de Paula e também pelo seu afastamento pelo período de 30 dias frente as funções da Prefeitura Municipal.

Guga ficou afastado por 60 dias, após o Poder Executivo fazer novo pedido de afastamento. Nesse período (janeiro, até o final de fevereiro), quem assumiu o cargo foi a vice-prefeita Emanuela Teixeira Silva. Guga retornou no dia 26 de fevereiro.

Antes de retornar, na Comissão Processante da Câmara de Cantagalo, o chefe do Poder Executivo foi ouvido no dia 20 de fevereiro e contou sua versão dos fatos (Veja a sessão). O Poder Legislativo teria 90 dias para analisar o impeachment do prefeito de Cantagalo.

Mas, agora, um novo desdobramento acontece. A defesa do prefeito pediu o arquivamento do processo de impeachment. De acordo com o presidente da Câmara, Ciro Fernandes Pinto, a principal alegação é que “o prefeito estava em momento de lazer e não a trabalho”.

Processo de Cassação

Dois cantagalenses – Welbert Pedro e Leonel Oliveira – foram os cidadãos que protocolaram denúncias na Câmara Municipal de Vereadores, baseados nos artigos 4º do Decreto-Lei nº 201/1967 e 64º e 67 da Lei Orgânica do Município, pedindo pela cassação do prefeito.

A Câmara de Cantagalo acatou os pedidos e, no dia 29/12/2023, em sessão extraordinária, votou favorável pela abertura do processo de cassação do prefeito Guga de Paula e também pelo seu afastamento frente as funções da Prefeitura de Cantagalo.

No dia da votação, o @serranewsrj chegou a conversar com Sebastião Bruno de Andrade Pinto, o homem que foi perseguido pelo prefeito na noite fatídica. A direção do portal fez contato com a Assessoria de Comunicação da Prefeitura, solicitando nota oficial sobre o caso e deixando o espaço plenamente aberto para o pronunciamento do prefeito, entretanto, não obtivemos resposta.

Confira abaixo o relato do cidadão.

Prefeito de Cantagalo foi preso

A Polícia Militar prendeu, na noite de um domingo (24/12/2023), véspera de Natal, o prefeito Joaquim Augusto Carvalho de Paula, popular Guga de Paula, após invadir um bar com arma em punho e perseguir um homem na localidade de Aldeia, em Cantagalo (RJ).

Segundo informações apuradas, o prefeito perseguiu o marido de Fernanda Torres, que foi candidata a vice-prefeita no município ao lado do candidato a prefeito Hugo Guimarães, nas Eleições 2020, após uma discussão. No carro do prefeito, a Polícia Militar apreendeu um revólver calibre 38 com seis munições intactas.

O prefeito Guga de Paula foi detido e encaminhado à 151ª Delegacia Legal de Nova Friburgo, onde foi autuado por porte ilegal de arma de fogo de uso permitido e ameaça. Ele permaneceu preso e foi liberado em seguida, após pagar fiança de R$ 4 mil.

Veja também