O portal de notícias que mais cresce na serra carioca.

Criminoso usa imagem de criança para praticar golpe de estelionato na internet

Um criminoso, se passando pelo pai de uma criança de 2 anos em tratamento de câncer, tentou ludibriar a redação deste portal de notícias, na manhã de quinta-feira (7/12), ao fazer um apelo convincente por ajuda, pois estaria passando por sérias necessidades na cidade de Itaocara, no Noroeste Fluminense.

Trata-se de mais um golpe de estelionato digital. A redação, sensível aos dados apresentados e com intuito de ajudar, acabou tentando ajudar a falso pai. Imediatamente, após verificação minuciosa da direção, constatou-se que os dados apresentados eram incongruentes.

A ação delituosa é tão convincente, que além de imagens em vídeos e fotos, o malfeitor enviou ainda nome completo com registro de identificação, endereço residencial, laudos médicos, entre outras informações comprovatórias. Durante toda a conversa, o elemento enviou áudios e demonstrou sensibilização, drama e convencimento.

c9d14250 5d8e 4eba 8fdc f0dd8c8b33dc
Perfil apresentado

Aproveitamos a oportunidade para fazer um alerta para todos os internautas, pois essa modalidade de golpe digital está sendo utilizada com bastante frequência e destreza por criminosos no Rio de Janeiro. Os números fraudulentos são: (61) 98370-1559 e (22) 98631-7368.

De forma cruel e maldosa, criminosos utilizam da imagem de crianças inocentes, usando ainda uma doença seríssima que é o câncer cerebral, com intuito de enganar e arrecadar dinheiro ilegalmente de pessoas de coração bom.

Insta salientar, que a prática de estelionato pela internet é crime de acordo com o Artigo 171 do Código Penal Brasileiro, com pena de reclusão, de um a cinco anos, e multa. A direção do portal já informou o caso à Polícia Civil e registra um Boletim de Ocorrência sobre a tentativa de crime.

Golpe

Golpistas têm usado vídeos, imagens e relatos comoventes de crianças supostamente em tratamento de câncer para pedir doações e desviar o dinheiro arrecadado. As características comuns desse golpe é fazer um apelo que estão passando necessidades e apelam pela comoção do problema ilusório.

“Esse golpe, como tantos, aproveita os impulsos altruístas que os humanos têm para ajudar uns aos outros. É especialmente malicioso e antiético, porque está potencialmente se aproveitando de uma criança real, doente ou não, cujo a imagem foi roubada para o golpe”, aponta a polícia.

A realização de doações para tratamento de saúde e pessoas carentes é mais do que incentivada, mas os usuários devem prestar atenção para quem estão enviando dinheiro, principalmente quando os pedidos vierem de redes sociais, e-mail ou mensageiros instantâneos.

A orientação é pesquisar informações sobre as campanhas em andamento e buscar instituições reconhecidas de uma determinada cidade, que possuem métodos claros para envio de doações, para buscar ajudar outras pessoas.

Crescimento

Considerado o ‘crime da moda’, são inúmeros os golpes e as fraudes digitais nos dias atuais, até mesmo utilizando imagens de crianças e doenças, como o caso acima. A onda de proriferação desse tipo de ‘estelionato digital’ preocupa autoridades de segurança no Brasil e no mundo.

O aumento do crime cibernético provoca dois tipos de desafios. Um é o “letramento digital” dos usuários de internet, principalmente os idosos, mais vulneráveis a serem enganados por novas tecnologias. Outro é melhorar a preparação das próprias polícias, já que esse tipo de crime exige formação especializada e rotinas rígidas de atualização, dada a rapidez das mudanças tecnológicas.

As modalidades de crimes com o uso da internet são variadas — e só vêm crescendo. Os casos vão desde o chamado phishing (pescaria) — quando o usuário fornece informações pessoais em mensagens e e-mails falsos — até as simulações em que o estelionatário cria uma situação e pede à vítima que lhe transfira dinheiro, como a clonagem de contas de Whats­App.

Há também quadrilhas especializadas que montam até “call centers” para passar golpes por telefone, como fazer se passar por funcionário de um banco e convencer o usuário a fornecer senhas e outros dados. O crescimento desse tipo de crime levou o Congresso a aprovar, em 2021, alteração no artigo 171 do Código Penal para incluir nele a modalidade de fraude eletrônica.

Para tentar coibir esse tipo de prática, a Lei nº 14.155, de 2021 alterou o Código Penal, criando a figura da Fraude Eletrônica, § 2º-A, § 2º-B e § 3º do artigo 171, também conhecida por Estelionato Digital, que é uma forma qualificada do crime de estelionato, e por isso recebe pena mais severa.

A fraude eletrônica ocorre quando o criminoso consegue enganar alguém, por meio de redes sociais, contatos telefônicos, correio eletrônico falso ou qualquer outro meio fraudulento, a fornecer dados confidenciais, tais como, senhas de acesso, bancos ou número de cartão de crédito ou débito.

Enquanto no estelionato comum a pena é de 1 a 5 anos de prisão, na fraude eletrônica, ela vai de 4 a 8 anos e pode ser aumentada em até 2/3, caso o crime seja cometido com uso de servidor (computador para armazenar dados) que esteja fora do Brasil. A pena também pode ser acrescida em até 1/3, na hipótese de o crime ser cometido contra entidade pública, instituto de economia popular ou assistência social.

Empresas apoiam a informação de qualidade

Veja também
error: Content is protected !!