O portal de notícias que mais cresce na serra carioca.

Alta do diesel: como isso impacta na vida do cidadão?

A Petrobras anunciou na segunda-feira (9/05) que reajustou o preço de venda do diesel para as distribuidoras. Agora, o combustível passa a custar R$ 4,91, e não mais R$ 4,51, por litro, representando uma variação de 8,8%. Segundo a estatal, o preço não era reajustado há 60 dias. Já os valores atuais cobrados pela gasolina e pelo GLP foram mantidos. A mudança passa a valer a partir de terça-feira (10).

Com o novo reajuste, o diesel já acumula no ano alta de 49% nas refinarias da Petrobras. Somente o diesel responde por cerca de 35% a 40% dos custos das empresas de transporte. Com o aumento médio de 8,87% a tendência é que as empresas reajustem o valor do frete, o que vai impactar em diversos setores e nos custos para a população.

As empresas do setor de transporte de passageiros também serão afetadas com o valor mais alto do diesel. Os aumentos constantes do diesel preocupam o setor. O combustível é o segundo item de custo que mais pesa no valor da tarifa dos ônibus urbanos, depois da mão de obra, com uma participação média de 30,2% no custo geral das operadoras do transporte público.

O economista André Braz, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), alerta para os impactos econômicos do reajuste. “O diesel já subiu 49% em 12 meses. Então qualquer reajuste que a gente tenha daqui para frente pesa mais na estrutura produtiva”, explicou. “A gente sabe que a prestação de serviços, o frete, em especial e o movimento das máquinas agrícolas, tudo isso tende a ficar mais caro, subir de preço e isso acaba espalhando as pressões inflacionárias”, disse.

Para Braz, o aumento de 8,8% na refinaria chega na bomba pela metade em torno de 4,5%. “Temos mais uma pressão inflacionária que, apesar de pequena frente ao último reajuste, só engrossa a necessidade de a gente ver correção de preços em serviços, principalmente no transporte público.” O economista observou, ainda, que o impacto do diesel no IPCA é pequeno. “O diesel pesa pouco na inflação ao consumidor, mas pesa muito no frete, então o efeito indireto do diesel na inflação é o mais perverso.”

Em nota, a Petrobras afirmou que, considerando a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel no diesel comercializado, “a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 4,06, em média, para R$ 4,42 a cada litro vendido na bomba”. Com isso, a variação seria de R$ 0,36 por litro. A companhia afirma que a alta “segue outros fornecedores de combustíveis no Brasil que já promoveram ajustes nos seus preços de venda acompanhando os preços de mercado”.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ciente disso, mas você pode cancelar se desejar. AceitarLeia mais