O portal de notícias que mais cresce na serra carioca.

Meteorito? Estrondo e tremor de terra intrigam moradores da região

Na tarde de terça-feira (11/01), por volta das 13h, um grande estrondo e um tremor foram percebidos em Itaocara, Aperibé, Santo Antônio de Pádua, São Sebastião do Alto, Cambuci, São Fidélis e demais cidades do Norte e Noroeste Fluminense. Algumas pessoas disseram se tratar de um barulho similar de trovão, só que muito mais intenso, que teria causado até tremor no solo.

Houve especulações sobre que uma barreira teria estourado, e que também um grande deslizamento teria ocorrido, e até, que uma grande barreira havia destruído uma casa, entretanto, nada disso ocorreu.

A explicação sobre o estrondo escutado nesta terça-feira, pode ter sido um meteorito que entrou na atmosfera próximo a nossa região. Geralmente alguns meteoritos têm maior resistência durante a entrada na atmosfera, e por isso são acompanhados de um imenso estrondo tremor e no final.

Meteorito?

Apesar dos vários relatos, as autoridades informaram que não houve registros de abalo sísmico nas regiões Norte e Noroeste Fluminense. Informaram ainda que nenhuma ocorrência desse tipo foi registrada na região. A liberação de energia decorrida da explosão do corpo celeste teria feito o chão, portas e janelas balançarem em cidades como Itaocara, Aperibé, Santo Antônio de Pádua, São Sebastião do Alto, Cambuci e São Fidélis.

Um meteoroide é um corpo de rocha ou de metal, vindo do espaço, que cai na atmosfera, a camada gasosa que envolve o planeta. A maioria dos meteoroides pega fogo ao entrar na atmosfera, criando um rastro de luz denominado meteoro, conhecido também como estrela cadente. Quando um meteoroide não se destrói durante a queda e atinge a superfície da Terra, passa a chamar-se meteorito.

Nem todos os meteoritos são vistos a cair; na realidade isso apenas acontece em cerca de 33% dos casos. O impacto de asteroides na superfície terrestre tem sido alvo de estudos. A partir destes é possível apresentar algumas estimativas das consequências dos impactos de várias dimensões.

Especialista faz explicação

O professor Tibério fez uma análise completa, onde analisou os comentários, horário dos relatos, os objetos que passaram “próximos” à Terra e diversos outros fatores. Em sua análise, o professor levantou a possibilidade do som ter sido de um pequeno fragmento de um asteroide, o “2022ac4”, identificado dois dias antes, em 09/01/22.

Segundo as informações, o asteroide passou à 92 mil quilômetros da Terra, uma distância considerada pequena, perto do horário dos relatos. Por todo o estudo realizado, o professor Tibério acredita que essa seja a causa do som. Embora o fragmento seja muito pequeno e possivelmente tem se despedaçado antes de chegar ao chão, o objeto faria o estrondo quando chegasse a atmosfera.

Assista o vídeo completo:

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ciente disso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia mais