O portal de notícias que mais cresce na serra carioca.
lateral-160×200
lateral-160×200

RJ começa a distribuir vacina de Oxford/AstraZeneca aos 92 municípios

Vacina de Oxford/AstraZeneca aos municípios do RJ

O governo do Rio de Janeiro começa nesta segunda-feira (25/1) a repartir aos 92 municípios fluminenses o primeiro lote da vacina de Oxford/AstraZeneca. O estado ficou com 185 mil da remessa de dois milhões de doses que veio da Índia e chegou ao Brasil na última sexta-feira (22).

A divisão para os 92 municípios será com o mesmo critério da CoronaVac, pela base populacional. Ainda de acordo com o governo do estado, as vacinas serão destinadas ao público prioritário, conforme orientado pelo Ministério da Saúde.

Pelo cronograma estipulado pelo estado, as doses poderão ser aplicadas sem a necessidade de guardar metade para a segunda dose. Isso porque o intervalo entre as vacinas é de até três meses, ao contrário da CoronaVac, que é de até 28 dias.

Na avaliação da pasta e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), não há a necessidade de reservar metade dos imunizantes para garantir a segunda aplicação porque estudos clínicos indicaram que o intervalo necessário entre a primeira e a segunda dose é de 12 semanas.

Nesse período, a expectativa é de que a fundação já esteja produzindo a vacina Oxford / AstraZeneca em solo brasileiro. Na primeira aplicação, a vacina importada do Instituto Serum, na Índia, tem uma eficácia estimada de 73%, e após a segunda dose o percentual passa a ser de 82%.

Eficácia da vacina de Oxford/AstraZeneca

Em cerimônia de recepção dos dois milhões de doses da vacina da Universidade de Oxford/Astrazeneca, desenvolvida em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz e comprada do Instituto Serum, na tarde deste sábado (23/1), no Campus de Manguinhos, zona norte do Rio de Janeiro, representantes da Fiocruz ratificaram a eficácia da vacina.

“Essa vacina tem 70% de eficácia contra a Covid-19 e 100% contra hospitalização e agravamento da doença. Já na primeira dose, em 22 dias já temos proteção da doença. Com a dose de reforço, três meses depois, essa proteção é conferida e aumenta para 80%”, explicou Sue Ann Costa Clemens, coordenadora de ensaios clínicos da Fiocruz.

CoronaVac e Oxford: tudo sobre as vacinas que devem ser usadas no Brasil

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ciente disso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia mais