MP investiga superfaturamento na compra de respiradores no RJ

MP investiga superfaturamento na compra de respiradores no RJ

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), investiga uma possível improbidade administrativa envolvendo a contratação emergencial da empresa 2A2 Comércio Serviços e Representações LTDA. pela Secretaria Estadual de Saúde. O contrato firmado com a instituição, de R$ 9,9 milhões, prevê a compra de 50 unidades de aparelhos respiradores ou ventiladores pulmonares, com pagamento antecipado.

A investigação foi instaurada por meio da Força-Tarefa de Atuação Integrada na Fiscalização das Ações Estaduais e Municipais de Enfrentamento à Covid-19 (FTCOVID-19/MPRJ) e da 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Cidadania.

De acordo com o MP, será investigado o eventual superfaturamento no contrato de ao menos R$ 4,9 milhões, visto que cada aparelho saiu por R$ 198 mil, mais que o dobro de seu preço no mercado brasileiro. A FTCOVID-19/MPRJ passou a atuar no caso, a partir de solicitação de auxílio feita pela promotoria que trabalha na instauração do inquérito.

Na ação, o MPRJ aponta que houve liberação antecipada de parte dos recursos para a empresa contratada, apesar dos preços elevados e da falta de especialização da empresa selecionada já que no contrato, a A2A Comércio é especializada em equipamentos de informática. Também é investigada a informação de que o modelo de respiradores é vendido por 3 mil dólares no exterior, não sendo o mais adequado, segundo as especificações técnicas, para o uso em pacientes críticos vítimas de covid-19.

O MPRJ expediu ofício ao secretário de Estado de Saúde, requisitando, no prazo de 48 horas, a íntegra do processo administrativo de contratação da empresa. Além disso, também é solicitado os documentos referentes à escolha da empresa, pesquisa de preços, proposta de preços, contrato assinado, comprovação de entrega do material, entre outros.

Caso não haja a comprovação da entrega do material comprado, em especial quanto aos valores pagos antecipadamente, a promotoria quer esclarecimentos sobre o prazo combinado e as medidas adotadas diante do risco de um possível atraso. No mesmo documento, o MPRJ busca ainda que o próprio secretário estadual de saúde esclareça se pretende reconsiderar o contrato em questão e/ou se pretende autorizar novas antecipações de pagamento.

Serra News

Serra News

O melhor portal de notícias da Região Serrana do Rio de Janeiro.