Como atravessar a era do Covid-19 com autocuidado e posicionamento

Como já escrevi no artigo anterior, o autocuidado deve fazer parte da nossa vida, independentemente de qualquer vírus que venha a surgir. Não adianta se debater desejando controlar o que está fora da sua esfera de controle. A pergunta é? O que você pode fazer por você e pelos que estão ao seu redor? Embora o autocuidado seja de extrema importância, ter um pensamento ecológico é tanto quanto. O que quero dizer com isto? Que devemos ter autoresponsabilidade com a manutenção da nossa saúde e com o impacto das nossas ações em todo um sistema. Em outras palavras, se alguma condição for identificada, evitar disseminar para as outras pessoas. Esta atitude mental é um princípio ético, de empatia e de amor ao próximo.

Coluna anterior: Se cada um fizer a sua parte, acredito que possamos passar por esta pandemia e sair ainda mais fortalecidos, é o que chamo de antifragilidade. Além disso, levar para a vida que o autocuidado deve ser permanente: cuidados com higiene, atividade física regular, alimentação saudável, atitude mental positiva, etc…devem ser uma filosofia de vida.

Importante destacar que o “cisne negro” sempre existirá. Aretuza, o que significa isto? “Cisne negro” é um termo metafórico utilizado para os eventos aleatórios que surgem em nossa vida e que não temos como prever a ocorrência, como o Coronavírus, por exemplo. Logo, vamos seguindo fazendo a nossa parte e com inteligência emocional para lidar com isto, pois o que mais precisamos agora é da nossa imunidade fortalecida. Um beijo no coração de todos e até aproxima coluna.

Veja também: