25ª Romaria de São Sebastião sai de Barra Mansa rumo à Cantagalo

25ª Romaria de São Sebastião sai de Barra Mansa rumo à Cantagalo

Nos últimos 2 anos, a página Raízes Suíças acompanhou a Romaria Montada de São Sebastião que sai de Barra Mansa – no Sul Fluminense – rumo ao distrito de São Sebastião do Paraíba, em Cantagalo – na Região Serrana do Rio.

Durante o trajeto de dez dias, os romeiros percorrem 400 km num trajeto que envolve emoções, devoção e muita fé. O percurso da cavalgada é planejado de forma que chegue ao seu destino no dia 20 de janeiro, dia do santo padroeiro de Barra Mansa e igualmente do distrito de São Sebastião do Paraíba.

Foram dois anos muito especiais para a página Raízes Suíças, em que a Romaria de São Sebastião contou a história da imigração suíça por onde passou, reuniu descendentes, historiadores e amigos mostrando a importância da fé, da união e da amizade.

Mas este dois anos renderam frutos importantes não só para a romaria montada, ao ser reconhecida como Patrimônio Imaterial de Cantagalo, bem como para o movimento, com a edição da Lei do Dia Municipal da Imigração Suíça de 1819, comemorado no quarto sábado do mês de novembro.

Na chegada da Romaria de São Sebastião, em 20 de janeiro de 2019, foi proposta a criação de um monumento para celebrar os 200 anos da chegada dos suíços, monumento este que será inaugurado em 2020, no dia 20 de janeiro, dia da chegada dos romeiros e dia do padroeiro de Barra Mansa. O monumento trará o nome de todas as famílias que migraram para o Brasil.

Romaria Montada de São Sebastião

A iniciativa da cavalgada partiu de Carlos Elias dos Santos Curty e de José Rosa. O intuito era de celebrar em sua cidade natal a memória de seus antepassados, todos suíços que emigraram para o Brasil no início do século 19. A família Curty é natural de La Roche, no Cantão de Fribourg.

O percurso da cavalgada é planejado de forma que chegue ao seu destino no dia 20 de janeiro, pois é o dia do santo padroeiro. Precede a romaria a celebração de uma missa na igreja de Santa Cruz. A jornada leva em média dez dias, iniciando-se no dia 10 de janeiro, na alvorada, às 6h.

As paradas são previamente organizadas e a romaria é acompanhada por um caminhão, para suporte. Os cavalos são examinados e preparados fisicamente para o evento através de treinamentos com exercícios diários.

Durante o percurso, à noite, faz-se novenas nas pousadas e após a reza é aberto um debate sobre a romaria e a memória familiar. Mas devido ao forte calor do mês de janeiro, a marcha é iniciada sempre às 5h da madrugada. No caminho, avistam-se montanhas, rios, passa-se por inúmeras fazendas históricas e localidades ribeirinhas, uma verdadeira aventura cavalgando às margens do Rio Paraíba do Sul.

Na chegada a São Sebastião do Paraíba, os romeiros são recebidos com muita festa pela população local, visto ser o dia do padroeiro do distrito. Enfim, a romaria montada de São Sebastião é realizada há 25 anos.

Por Iago Guimarães