O portal de notícias que mais cresce na serra carioca.

Pandemia: G7 e OMS alertam para o alto risco da variante ômicron

Os ministros da Saúde do G7, atualmente sob a presidência do Reino Unido, destacaram que “a comunidade global” enfrenta “a ameaça de uma nova variante altamente contagiante da Covid-19, que requer ação urgente”. A variante do ômicron, detectada na semana passada na África do Sul, também disparou alarmes da Organização Mundial da Saúde (OMS), que alertou nesta segunda-feira em documento técnico que o risco global da ômicron “é avaliado como muito alto” e demanda precauções extremas.

A comunidade científica ainda não tem certeza de que essa versão do vírus seja mais transmissível e escape das vacinas, mas os primeiros indícios e as mais de 30 mutações detectadas nesta variante precipitaram uma reação em cadeia em meio mundo para impedir a expansão da ômicron: países da União Europeia, Estados Unidos, Israel e Marrocos, entre outros, fecharam suas fronteiras para voos do sul da África, embora o vírus já tenha penetrado em vários estados europeus.

“A comunidade internacional enfrenta a ameaça de uma nova variante altamente transmissível da Covid-19, que requer ação urgente”, disseram os ministros em um comunicado conjunto após a reunião. Os ministros elogiaram o trabalho da África do Sul, que detectou a variante e alertou os outros países, disseram. Eles também lamentaram as restrições impostas à África do Sul.

Os países do G7 também “reconheceram a importância estratégica de garantir o acesso às vacinas”, “preparar” os países para receber as doses, fornecer “assistência operacional, cumprir nossos compromissos de doação, abordar a desinformação sobre vacinas e apoiar a pesquisa e o desenvolvimento”.

Os países do G7 também se comprometem a “continuar a trabalhar em estreita colaboração com a OMS e parceiros internacionais para compartilhar informações e monitorar a ômicron”. “Os ministros prometeram se reunir novamente em dezembro”, disseram.

A nova variante representa um “risco muito alto” em todo o mundo, alertou a Organização Mundial da Saúde. A lista de países em que foi detectada é crescente, principalmente na Europa, depois que os primeiros casos foram registrados em países do sul da África em novembro.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ciente disso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia mais