Arranjo Produtivo de Cervejas Artesanais será implementado na Região Serrana

Arranjo Produtivo de Cervejas Artesanais vai ser implementado na Região Serrana

Berço da primeira cervejaria do país, fundada por D. Pedro II em 1843 e ainda em operação, e reconhecida como a Capital Estadual da Cerveja pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Petrópolis vai ganhar um incentivo a mais para o desenvolvimento do setor. A cidade fará parte do Arranjo Produtivo Local (APL) da Região Serrana de Cervejas Artesanais.

A iniciativa da secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, em parceria com a Firjan e outras entidades, visa potencializar as indústrias de cervejas artesanais da Região Serrana com o objetivo de aumentar a produção e, dessa forma, fomentar a economia ao gerar emprego e renda. O APL também vai abranger empresas de Teresópolis, Nova Friburgo e de outros municípios ao redor. A oficialização do programa deve ser efetivada no final de setembro.

Em um primeiro momento, a ideia é reunir as demandas dos empresários para que seja feito um estudo sobre quais são os gargalos para o desenvolvimento do setor. E, com isso, é traçado um plano estratégico para resolvê-los e facilitar o ambiente de negócios. Uma das possíveis ações é firmar parcerias com bares, restaurantes e supermercados para estimular o consumo dos produtos fabricados na região.

Para Roberto Badro, presidente do Sindicato das Indústrias de Cervejas e Bebidas em Geral de Petrópolis, essa é uma iniciativa que beneficia o setor. “O fato de termos um projeto que una o poder público diretamente com os empresários, incluindo os pequenos, mostra que a iniciativa privada vai ter um caminho direto e mais fácil para solucionar seus problemas. A expectativa é muito boa”, diz ele.

Proprietário da cervejaria BrewPoint, José Renato Romão, concorda. “É muito bom termos um projeto que valoriza a origem da cadeia da economia, que é a indústria. Temos muitos gargalos a serem resolvidos, sendo a questão tributária a principal delas. Se esta for resolvida, teremos um caminho para as pequenas empresas se desenvolverem”, completa.

Em todo o Rio de Janeiro, o segmento de microcervejarias cresce de forma consistente. O número de empresas registradas, com estrutura própria, saltou de 12 em 2011 para 57 em 2017. O boom também beneficiou as ciganas – como são chamadas as marcas que não contam com fábrica exclusiva. Só a cidade de Petrópolis abriga 10 microcervejarias e 12 ciganas.

Atualmente em Petrópolis, a Firjan SENAI oferece o curso de Operador mantenedor de processos da indústria cervejeira e a expectativa é que outros sejam disponibilizados a partir do próximo ano, com o objetivo de promover a qualificação da mão de obra para as indústrias locais.

Firjan é referência no setor de cervejas artesanais

A Firjan SENAI é referência na prestação de serviços tecnológicos para o setor de cervejas. No Rio de Janeiro, são realizados desenvolvimento de produtos, análises laboratoriais, controle de qualidade e de processos, análises sensoriais, tecnologia cervejeira e consultorias, entre outros serviços. Seu corpo técnico é formado por mestres, doutores e profissionais com ampla experiência de trabalho em cervejarias.

A instituição já desenvolveu uma receita de cerveja que coleciona prêmios no Brasil e no exterior. A Kaffee Bier, produto da Cervejaria Familiar von Borstel de Londrina, no Paraná, recebeu a Medalha de Prata no Brussels Beer Challenge, em Namur, na Bélgica na categoria Cerveja Flavorizada com Café.

Crédito da foto: Pexels