O portal de notícias que mais cresce na serra carioca.

Cantagalo registra mais de 438 milímetros de chuva em 96 horas

É normal chover muito em janeiro. Se a chuva normal do mês é capaz de causar transbordamento de rios e deslizamentos de terra, imagine toda essa chuva de 31 dias caindo em um intervalo de poucas horas. Foi o que ocorreu em Cantagalo, na Região Serrana do Rio.

O cenário não poderia ser outro senão danos por diversos pontos da cidade. O Córrego Lavrinhas transbordou na noite dessa segunda-feira (10) como há muito tempo não se via. Na entrada para a cidade, o Lavrinhas causou erosão que atingiu o asfalto e postes de energia, que ruíram. Bairros como Triângulo, Chácara da Banheira e Vila Bela estão sem energia elétrica. Não há previsão de retorno.

Deslizamentos ocorreram em várias localidades. Na RJ-164 entre Cantagalo e Macuco, houve um grande deslizamento de terra na altura do bairro Cantelmo. Na Rua Professora Dulce Barros Luterbach, o muro do galpão do DER-RJ desabou arrastando parte da rua. No Centro da cidade, vários deslizamentos ocorreram na Avenida Rodolfo Tardin, onde duas casas estão com risco iminente de desabar.

O Serra News fez uma ronda pela cidade nesta manhã. No bairro São José, um deslizamento de terra atingiu um Fusca. Houve vários outros deslizamentos no bairro mais populoso de Cantagalo, onde algumas residências também estão em risco. O bairro Chácara da Banheira certamente foi o mais atingido e ficou intransitável com várias barreiras. Homens da Prefeitura Municipal de Cantagalo chegaram pela manhã para limpeza.

Segundo o Alerta de Cheias do Instituto Estadual do Ambiente (INEA), em 24h, o acumulado chegou a 184 milímetros. Nas últimas 96 horas, choveu 438,2mm. Os moradores relatam que desde 2011 não viam uma chuva tão intensa.

Ainda em Cantagalo, o distrito de São Sebastião do Paraíba enfrenta uma inundação por conta do Rio Paraíba do Sul. Um ponto de apoio foi montado na quadra de esportes. A Prefeitura ainda contabiliza o número de desalojados e desabrigados. Em Santa Rita da Floresta, há registros de quedas de barreiras na RJ-160 e também queda de árvores em algumas localidades do distrito.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ciente disso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia mais