O portal de notícias que mais cresce na serra carioca.

Onça-pintada é flagrada no Sul do Rio de Janeiro após décadas

Um registro importante e raríssimo feito na Serra da Concórdia foi divulgado recentemente: uma onça-pintada flagrada caminhando pelo Santuário da Vida Silvestre, em Valença, no estado do Rio de Janeiro. A imagem captada em julho desse ano surpreendeu muita gente, afinal não é fácil encontrar esse felino na Mata Atlântica, devido ao status de ameaça do animal nesse domínio natural.

“É muito difícil afirmar com certeza há quanto tempo não aparecia uma onça-pintada no Sul do Rio de Janeiro, mas até onde eu saiba na região do Parque do Itatiaia, que é próxima ao local que essa onça foi flagrada, há décadas que a gente não tem relatos da espécie”, afirma Fernando Cascelli de Azevedo, professor da Universidade Federal de São João del Rei, associado do Pró-Carnívoros e coordenador do Projeto Carnívoros do Rio Doce (MG).

Tudo começou com algumas pistas encontradas nas trilhas do local que possui cerca de 90 alqueires, considerado como um dos fragmentos de Mata Atlântica mais preservados do Sul do estado. armadilhas fotográficas foram instaladas no final de julho para tentar desvendar o mistério e 15 dia depois a surpresa veio à tona quando foram verificar as imagens: “na hora que fomos checar e vimos que era uma onça-pintada foi algo surreal, ficamos muito emocionados.”

A onça flagrada no dia 27 de julho aparece por apenas alguns segundos na filmagem se movimentando durante a noite. Não é possível afirmar o sexo do animal e estima-se que tenha cerca de 70 quilos. Depois do flagrante, um biólogo foi contratado para a auxiliar na situação da onça e organizar a divulgação das imagens.

“A onça-pintada é um animal solitário que normalmente ocorre em baixíssimas densidades. Precisa de um território muito grande de floresta para sobreviver, por isso nesse flagrante acredito que a onça está apenas transitando por esse local que não é extenso o suficiente para a permanência dela” – disse Fernando Cascelli de Azevedo.

Importância do registro

A onça-pintada (Panthera onca) é o maior felino das Américas, ficando atrás apenas do tigre e do leão a nível mundial. No Brasil pode ser encontrada em diversos biomas, mas as populações estão diminuindo de maneira preocupante e a espécie praticamente desapareceu da maior parte das regiões nordeste, sudeste e sul.

“No Brasil a estimativa mais recente, que é de 2018, é que existam hoje de 86 a 87 mil onças-pintadas espalhadas pelo território, porém na Mata Atlântica esse número cai para em torno de 300 a 350. O registro dessa onça de Valença, no Rio de Janeiro, é portanto, raríssimo e importantíssimo”, explica Azevedo.

Onça Pintada

O especialista em onças esclarece que registros como esse de um animal aparecendo onde não havia relatos há muito tempo indicam que a espécie está transitando e reocupando áreas que sobraram da Mata Atlântica, expandindo a ocorrência. Mas ele chama a atenção para o fato de que mais pessoas estão utilizando equipamentos fotográficos hoje em dia, o que aumenta as chances de flagrantes de animais que possivelmente estão ali há muito tempo, só nunca antes foram vistos.

De qualquer maneira o registro traz uma oportunidade única e aumenta um leque enorme para estudos e pesquisas de conservação da espécie. “Em termos de conservacionismo a partir de hoje a área necessita de um cuidado maior em termos de levantamento de fauna e proteção tanto do capão de mato onde foi exposto o registro quanto da região do entorno para descobrir eventualmente se tem mais onça, de onde veio essa onça, para onde ela está indo… vale a pena investigar”, finaliza.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ciente disso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia mais