O portal de notícias que mais cresce na serra carioca.
lateral-160×200
lateral-160×200

Casos da variante delta disparam no estado do RJ; Região Serrana não detecta casos

O Rio de Janeiro é o estado com o maior número de casos da variante delta, cepa mais transmissível do coronavírus. Foram 83 até o momento, de um total de 110 casos de infecção notificados no país, segundo dados do Ministério da Saúde desta segunda-feira, 19 de julho.

Em todo o estado do Rio, a nova variante já foi confirmada em 12 cidades. Além da capital fluminense, a cepa foi identificada em Duque de Caxias, Itaboraí, Itaguaí, Japeri, Maricá, Mesquita, Niterói, Nova Iguaçu, Queimados, Seropédica, São João de Meriti e Campos dos Goytacazes.

Identificada originalmente na Índia, essa cepa foi classificada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como uma variante de preocupação. Estimativas indicam, além disso, que a variante é cerca de 50% mais transmissível do que a Alfa, descoberta pela primeira vez no Reino Unido.

Eficácia da vacina

O secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe afirmou que os sintomas da variante delta são os mesmos da Covid-19, mas essa cepa se transmite com mais facilidade. “Importante deixar muito claro que todas as vacinas hoje disponíveis no Brasil são comprovadamente eficazes contra a delta, sobretudo depois da segunda dose”, ressaltou o secretário.

Estados com registros

Os registros da variante foram feitos em sete estados, mas os óbitos foram concentrados no Paraná e Maranhão. Além do Rio, o Ministério da Saúde informou ainda que há registros de uma contaminação em Minas Gerais, duas em Goiás, três em São Paulo e dois em Pernambuco. No Paraná, foram nove casos e quatro mortes, e no Maranhão, seis registros e um óbito.

Por causa da variante delta, governos têm liberado a diminuição do intervalo entre as aplicações das vacinas contra covid-19 das fabricantes AstraZeneca ou Pfizer, com fizeram o estado do Rio e o Distrito Federal. A justificativa é ter parcela maior da população com o esquema vacinal completo, sobretudo entre os grupos mais vulneráveis.

A redução do tempo entre as injeções divide especialistas. A Fiocruz, responsável por produzir o imunizante Oxford/AstraZeneca no Brasil, se manifestou contrária a encurtar o intervalo. No exterior, o avanço da delta tem motivado o debate sobre o uso de uma dose de reforço. A Pfizer chegou a pedir às autoridades americanas aval para oferecer uma nova injeção, o que ainda não ocorreu. Israel aprovou uma terceira aplicação.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ciente disso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia mais