Visitantes da pandemia #10: Sanhaço-cinzento (Tangara sayaca)

Sanhaçu-cinzento (Tangara sayaca) - Foto: Gabriel Monnerat

Hoje temos nosso décimo visitante dessa pandemia, que é uma ave bem comum em nossa região: o sanhaço-cinzento (Tangara sayaca). Ele mede entorno de 19 centímetros e pesa cerca de 43 gramas, apresentando a coloração cinza, com asas e cauda com tons de azul-turquesa e com reflexos verdes-metálicos.

Esta espécie está entre as de ocorrência urbana mais comum, bastando uma área arborizada para aparecer. Eles frequentam muito os locais com frutos, sementes e é assíduo em comedouros com frutas, principalmente com mamão e banana. A sua alimentação é baseada em frutos, sementes, inclusive os da aroeira, fruto do sabiá, banana, mamão entre outros., podendo descer até o chão para comer frutos caídos. Consome também insetos, como cupins. Quando está em casal, o macho pode alimentar fêmea.

Sanhaço-cinzento (Tangara sayaca) - Foto: Gabriel Monnerat

Andando em bando, podem misturar-se a outros sanhaçus e aves, como saíras, cambacicas, canários, saís e outros. Eles constroem os ninhos com pequenas raízes, musgos e folhas, ficando escondidos na vegetação densa, em alturas variáveis. A fêmea coloca de dois a três ovos, com incubação de mais ou menos 14 dias, e os filhotes deixam o ninho com 20 dias de idade.

A ocorrência do sanhaço-cinzento (Tangara sayaca) é ampla, abrangido quase todos os estados brasileiros. Vive em bordas de florestas, capoeiras, clareiras, frequenta áreas urbanas arborizada e quintais com comedouros. Apesar de ser considerado urbano, assusta-se com a presença humana e pode voar rapidamente para o topo das árvores. Mas, mesmo assim, é uma das mais fácies de observar.

Mas e aí, você já os viu por aí? Aposto que sim, e com seu canto fino, melodioso, não é difícil reconhecê-lo. Portanto, procure locais com abundância de frutos e sementes, que logo eles darão o ar da graça.

Gabriel Monnerat

Gabriel Monnerat

Geógrafo e fotógrafo da natureza com enfase em aves.