Lente Natural: Maracanã-verdadeira (Primolius maracanã)



Classificação Científica:
Reino: Animalia
Filo:  Chordata
Classe: Aves
Ordem: Psittaciformes
Família: Psittacidae   (Rafinesque, 1815)
Nome Científico: Primolius maracanã (Vieillot, 1816)
Nome em Inglês: Blue-winged Macaw
Estado de Conservação: Quase Ameaçada


Hoje falaremos de uma ave, que apesar de ser um tanto conhecida e famosa, existem poucos estudos a seu respeito, o que chega a ser curioso já que é tão abundante em nosso estado do Rio de Janeiro. Estamos falando da maracanã-verdadeira, que se parece muito com as araras mas é um periquito grande.

Está espécie, pode chegar a 40cm, e pesar em torno de 260 gramas. Possui principalmente cor verde. Na face tem uma região próxima aos olhos, sem pena, de coloração branca e contrastando com o bico preto. Com o topo da cabeça azulado, e pequeno topete vermelho, assas de ponta e parte de baixo azuladas, destacasse seu rabo em tons de azul e vermelho.

A maracanã-verdadeira está presente em maior concentração na região sudeste, mas também ocorre no centro oeste e pode ser vista do Maranhão ao Paraguai.  Ela habita regiões de beiras de matas, buritizais (e outras palmeiras), locais de barranco, onde eventualmente fazem ninhos, assim como em troncos ocos. 

Alimenta-se principalmente de buriti (palmeira), mas também é atraído por outros frutos como a canjerana. Um de seus preferidos, depois do buriti, é o Ingá-do-mato. Geralmente alimentam-se quando estão em bandos.

Quando não em período reprodutivo, costumam andar em bando. Essa ave pode viver em torno de 24 anos. Seu canto, não é nada melódico,  assemelhando-se à fala, o que faz parecer que conversam entre si e conosco. São inteligentes, com alta capacidade de segurar os frutos com os pés e descascar com o bico, antes de ingeri-los. 

Está foto de capa, foi tirada no município de Cordeiro-RJ, onde são bem abundantes.Um bando de uns dez indivíduos alimentavam-se do fruto do ingá-do-mato e estavam fazendo uma algazarra. 

Apesar de ter poucos estudos a respeito dessa ave, ela é um dos símbolos do Rio de Janeiro, emprestado seu nome, a um dos mais famosos estádios de futebol, o Maracanã, pelo fato, de que no local, e durante as obras, esta ave ter sido muito abundante. Houve uma redução significativa de sua população por uns anos, mas  recentemente é vista com frequência novamente, o que é muito bom.  Mesmo assim, é uma espécie quase ameaçada de extinção, o que merece atenção. 

Para que esta espécie continue a nos alegrar com suas cores e inteligência, temos que preservar espécies nativas como ingazeiro, canjerana, e  principalmente palmeiras, evitando o corte ilegal para retirada de palmito.  Prestando atenção por ai, com certeza irá ouvi-las conversando em alguma árvore ou voando em bandos.


Acesse também o meu Facebook e Instagram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.