Correios vão fechar 513 agências e demitir cerca de 5,3 mil funcionários

Em crise nos últimos três anos, os Correios decidiram fechar nos próximos meses 513 agências próprias e demitir os funcionários que trabalham nelas, o que deve atingir 5.300 pessoas. A medida foi aprovada em reunião da diretoria em fevereiro e é mantida em sigilo pela empresa. Quem participou dela teve de assinar um termo de confidencialidade, o que não é usual. 

Na lista há agências com alto faturamento. Em Minas, das 20 mais rentáveis, 14 deixarão de funcionar. Os clientes serão atendidos por agências franqueadas que funcionam nas proximidades das que serão fechadas. Já em São Paulo, serão fechadas 167 agências, sendo 90 na capital e 77 no interior. No Rio de Janeiro, o número de agências que serão fechadas ainda não foi divulgado.

O ex-presidente dos Correios Guilherme Campos justificou que serão fechadas agências próprias que ficam muito próximas de outras operadas por agentes privados. Ele disse, segundo a jornalista Andreza Matias, que o número de demissões pode ser ainda maior. Vai depender da capacidade financeira da empresa para indenizar os trabalhadores. Veja parte do documento conseguido pelo jornal O Estadão:

CRISE: A estatal acumulou prejuízos de cerca de R$ 6 bilhões nos últimos três anos e reduziu em 13,6% o seu quadro de funcionários desde 2013. Além disso, a empresa enfrenta uma explosão de reclamações de clientes por falhas nos serviços de entregas, além de paralisações seguidas de funcionários.

Por Andreza Matias

Veja também: